20, maio, 2020

Abrasel orienta setor de alimentação sobre quarentena e retomada de atividades

Self-service
Abrasel lança orientações a clientes e consumidores de restaurantes para tranquilizá-los sobre a pandemia do novo coronavírus

Com o crescimento constante dos casos e óbitos do novo coronavírus no Brasil, a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) têm acompanhado e tentado colaborar com o funcionamento dos estabelecimentos do setor de alimentação. Com a crise, a associação estima que 20% dos restaurantes e bares do País já fecharam as portas em definitivo, extinguindo cerca de 1 milhão de empregos. Para amenizar a escalada do problema, gestores do segmento buscam se reinventar neste novo momento e a própria Abrasel traça estratégias para minimizar as incertezas do cenário quanto à retomada de atividades.

A Abrasel prevê que, após consolidada uma tendência de estabilização e queda dos casos de covid-19 em cada estado, o setor local terá que seguir novos e rígidos protocolos sanitários. Nesse sentido, popularizou-se a expressão “novo normal” para sintetizar essas dinâmicas futuras, que serão incontornáveis, tanto para garantir segurança a clientes e colaboradores como para prevenir o surgimento de surtos futuros. Nesse novo normal, não só o distanciamento entre mesas e as rotinas de higienização dos estabelecimentos deverão ser respeitadas, mas também deverão ser feitas adaptações em objetos e utensílios colocados em mesas e balcões, além de ser implementadas novas maneiras de receber e servir clientes.

Caveirão
Muitos restaurantes têm se adaptado à demanda crescente por delivery e saído na dianteira neste segmento – na foto, a pizza do Caveirão Pizza (Divulgação)

Pensando nessas novas orientações, a Abrasel lançou uma cartilha reunindo todas as sugestões para os empresários do setor. Recomendações básicas incluirão manter distância mínima de um metro entre as cadeiras ou dois metros entre mesas. O mesmo distanciamento mínimo de um metro deve ser observado em filas, que podem conter, inclusive, marcações no chão. Álcool em gel 70% deve ser disponibilizado em pontos estratégicos do estabelecimento.

A atenção dos proprietários deve ser redobrada à higienização regular de cada ambiente, incluindo pisos e superfícies, e até mesmo de lixeiras (estas, preferencialmente com pedal, para evitar o contato manual). Uma das sugestões que a associação também fornece é a adoção de cardápios digitais, abolindo, assim, a necessidade do cardápio físico, que pode servir como vetor de contaminação. Um grande desafio, sem dúvida, será o funcionamento de restaurantes a quilo, que deve ser repensado, incluindo até mesmo a possibilidade de que os funcionários da casa sirvam a clientela.

Self Service
Self-services encontrarão grande desafio para se reinventar neste novo futuro cenário

Para quem se mantém funcionando, é momento de investir no delivery

Com diversas localidades do País em quarentena permanente, a solução encontrada para evitar a completa estagnação tem sido investir cada vez mais em deliveries e no modelo take and go. Nesse sentido, a Abrasel também oferece outra cartilha especializada, com orientações gerais para empreendedores. Uma das principais sugestões tem sido a adoção do pagamento online, evitando o manuseio físico de máquinas ou a troca de dinheiro no ato do recebimento do produto. Também é indispensável – até mesmo por força de decretos estaduais, em muitos casos – a adoção de máscaras de proteção pelos entregadores, o que ajuda a tranquilizar clientes. Outra recomendação é que se dispense, em quaisquer entregas físicas, a assinatura do cliente por formalidades.

Para mais informações, visite o site da Abrasel.

Colunistas

Ver tudo
22 de fevereiro de 2020

Como cuidar da saúde no carnaval, evitar a ressaca e mais

Autor: Raquel Pessoa

28 de novembro de 2019

As “cervezas” dos “hermanos”: cenário e cervejas na Argentina

Autor: Samuel Magalhães (@SamCervas)

css.php