17, julho, 2012

Com açúcar e paixão

Obsessão por inovação e qualidade permeiam a história de uma das mais bem sucedidas grifes de chocolates e doces finos de Fortaleza

A Toca Fina é um daqueles casos que reforçam bem a máxima: “se você faz bem uma coisa, invista nela”. Ou ainda a outra que diz: “nunca é tarde para recomeçar”. Toca Sampaio, o cérebro e as mãos por trás da empresa, era uma empresária bem sucedida do ramo de importados – a rede contava com sete lojas, inclusive fora do Ceará. Até que veio uma crise cambial e levou embora os lucros. Há cerca de 13 anos, ela foi obrigada a fechar as lojas e, com tempo livre, passou a investir em caixas artesanais, uma paixão antiga.

Mas as caixas precisavam de um incremento. Toca decidiu testar uma receita de pão de mel que aprendeu num programa de TV e colocou as guloseimas dentro das peças. O sucesso foi tanto que, em pouco tempo, ela não conseguia mais dar conta das encomendas. E, como tudo era feito no apartamento onde morava, os vizinhos começaram a reclamar do grande fluxo de pessoas no condomínio.

Era hora de ter um espaço próprio e a família decidiu alugar um ponto. Depois dos pães de mel, vieram outras receitas. Tortas, salgados, pratos mais elaborados. Todos queriam encomendar os pratos de Toca para seus eventos ou reuniões familiares. Logo, empresas se interessaram em ter seus coffee breaks assinados por Toca e ela passou a ser requisitada para eventos maiores.

Hoje, o empreendimento divide-se em dois ramos: Toca Fina Cozinha (voltada para serviços de buffet e catering) e Toca Fina Doces e Chocolates (especializada em doces finos e chocolates criativos). As receitas são preparadas em quatro cozinhas industriais por cinco equipes – chocolates, doces, acabamentos, salgados de festa e buffet. Escala industrial, mas preocupação e cuidado de comida caseira, já que Toca, segue acompanhando tudo de perto.

De acordo Neno Sampaio, filho de Toca, que há quatro anos está à frente dos negócios, a empresa é atualmente a maior consumidora de chocolates da marca francesa Valrhona, no Brasil. Em um mês, chega a utilizar mais de uma tonelada do produto. As mais de 1.500 variedades de doces e chocolates da marca são enviados para festas e pontos de venda em cidades como Brasília, Manaus, São Luís e Teresina. Os cardápios, chamados de “coleções”, são renovados duas vezes por ano. Para a criação, chefs estrangeiros já foram contratados. Eles passam meses pensando as novidades e treinando os funcionários antes do lançamento.

Eventos, que, no início, não passavam de três por noite, agora, chegam a 12. Com exceção dos domingos, quando é folga para todo mundo. “Não abrimos mão da qualidade do que fazemos e isso passa também pelo descanso nosso e dos funcionários”, ressalta Neno. De acordo com ele, foi essa preocupação que sempre delineou o crescimento da Toca Fina.

O lema da empresa, destaca Neno, é adequar o evento idealizado por cada um aos respectivos orçamentos. Ou seja, em um jantar para 10 pessoas ou para 2.000 a qualidade é a mesma, garante. “Não vendemos nada além do que podemos oferecer. Fazer isso seria abrir mão da qualidade”.
 

Colunistas

Ver tudo
28 de novembro de 2019

As “cervezas” dos “hermanos”: cenário e cervejas na Argentina

Autor: Samuel Magalhães (@SamCervas)

31 de agosto de 2019

Fim de férias no delicioso Hotel Parque das Fontes de Beberibe

Autor: Patrícia Ferreira (Gourmet Fortaleza)

css.php