24, maio, 2013

O renascimento da cerveja artesanal

Na coluna desta semana, Rodrigo Campos fala da qualidade das cervejas artesanais

A cerveja sempre foi vista como um alimento pelos povos da antiguidade. Ela fazia parte da alimentação básica, mesmo para as crianças. Na idade média, em particular, era mais seguro beber cerveja que água. Devido à falta de saneamento básico as principais fontes de água eram contaminadas. A cerveja era mais segura porque passa por fervura, matando os micro-organismos perigosos à nossa saúde.

Os mais variados estilos de cervejas foram desenvolvidos durante muito tempo. Foi na Idade Média que os monges aperfeiçoaram as técnicas de fabricação e criaram boa parte dos estilos que conhecemos hoje. A cerveja mais conhecida pelo grande público, do estilo American Lager, foi inventada nas cervejarias americanas do século XX. Devido à escassez de malte, eles começaram a utilizar substitutos como arroz e milho, consequentemente deixando a cerveja mais seca e leve. Isso diminuía os custos de produção da cerveja e permitia que pudesse ser vendida por preços menores. Essa cerveja mais barata e leve acabou por ser adotada por grandes cervejarias para poder competir no mercado. O marketing muitas vezes passou a ser mais importante que o sabor.

O mundo hoje passa por uma onda de renascimento das cervejas artesanais. São em sua maioria cervejas de estilos tradicionais do continente Europeu, principalmente dos países de maior tradição como Bélgica, Alemanha e Reino Unido. Depois que grandes companhias cervejeiras dominaram o mercado, estas cervejas foram sendo esquecidas em favor de cervejas cada vez mais leves e sem sabor. Depois de uma revolução ocorrer nos Estados Unidos durante a década de 80, novas cervejarias foram surgindo e reproduzindo os tradicionais estilos europeus esquecidos. Essa onda se espalhou pelo mundo e no Brasil deve ter começado de forma bem tímida no início da década de 90, com a abertura do mercado brasileiro para os importados, mas somente veio pegar corpo neste início de milênio, com o surgimento da maioria das microcervejarias brasileiras que hoje atuam no mercado.

Você já imaginou como seria passar a vida inteira sem conhecer uma comida bem temperada e de repente conhecer o sal, a pimenta e todos os outros temperos que dão muito mais sabor e aroma às nossas refeições? Esta é exatamente a sensação que tenho desde que conheci as cervejas artesanais. A minha vontade é de que outras pessoas tenham a curiosidade de também experimentar e conhecer estas maravilhas.

 

Rodrigo CamposRodrigo Campos Oliveira é editor do blog Para Que VoCerveja, cervejólogo e consultor para bares, restaurantes, lojas e eventos. Viajou o Brasil e o mundo visitando cervejarias e bares especializados. Adora cozinhar pratos que combinem com suas cervejas preferidas, da entrada à sobremesa. Ministra palestras e harmonizações com cerveja para dividir parte do conhecimento adquirido nos últimos anos. Fale com o colunista pelo twitter, facebook ou email: [email protected]

Colunistas

Ver tudo
22 de fevereiro de 2020

Como cuidar da saúde no carnaval, evitar a ressaca e mais

Autor: Raquel Pessoa

28 de novembro de 2019

As “cervezas” dos “hermanos”: cenário e cervejas na Argentina

Autor: Samuel Magalhães (@SamCervas)

css.php